Linfonodos inchados e HIV se juntaram a novos consultores milionários de saúde Bitcoin

são em forma de feijão e ocupam diferentes áreas do corpo, como o pescoço ou a axila, na forma de um feixe. O corpo tende a inchar em áreas onde gânglios estão localizados. O inchaço de gânglios é geralmente um sinal perigoso e muitas pessoas que querem encontrar as causas, muitas vezes procuram palavras como "gânglios linfáticos inchados, HIV" na internet. Embora o HIV seja uma causa possível, há uma variedade de outros problemas que podem causar inchaço gânglios. Como o HIV e os gânglios linfáticos inchados estão interconectados? 1. HIV e inchaço linfonodo Está conectado

Inchaço dos gânglios linfáticos pode ser um resultado direto de uma infecção bacteriana ou viral, como a infecção pelo HIV.


Os linfonodos geralmente estão escondidos. Quando uma infecção entra no corpo, a glândula linfática começa a inchar o mais próximo do local da infecção. Isso cria colisões do tamanho de um feijão na pele externa.

Em alguns casos de inchaço gânglios, A infecção pelo HIV pode ser o culpado. Nestas circunstâncias, o inchaço é mais evidente em torno do pescoço, axilas e região da virilha. Conforme a infecção se desenvolve, os gânglios linfáticos em outras partes do corpo também começam a inchar significativamente. 2. Como tratá-lo

• Você ainda pode usar analgésicos vendidos sem receita médica, compressas quentes e medicamentos para o HIV para aliviar a dor e o inchaço. Embora os remédios caseiros possam reduzir o inchaço, eles não podem substituir os medicamentos anti-HIV que reduzem a taxa de degradação do sistema imunológico.

A tuberculose pulmonar é essencialmente uma infecção bacteriana e é causada por tuberculose infecciosa mycobacterium. O local da infecção é o pulmão e o inchaço dos gânglios linfáticos do pescoço é um dos primeiros sinais da doença. Outros sintomas podem ser tosse (acompanhada de sangue), fadiga e perda de peso.

A tuberculose ganglionar é causada por vários tipos de infecções bacterianas. Pode inchar seus gânglios linfáticos ao redor do pescoço e outras áreas. O inchaço é indolor, mas pode demorar alguns meses. Pessoas com doenças coexistentes ou doenças prolongadas também podem apresentar sintomas como fadiga, perda de peso e febre.

Tratamento: O tipo de infecção bacteriana que causa a doença determina o tratamento. Enquanto alguns tipos são tratados cirurgicamente (como micobactérias não-tuberculosas), outros tipos são tratados com antibióticos (como a micobactéria tuberculosa). 3. Mononucleose

A mononucleose é a primeiro nome para algum tipo de infecção viral. Afecta principalmente jovens e pessoas com vinte e poucos anos. Os principais sintomas da mononucleose são cansaço, tontura, dor de garganta e inchaço dos gânglios linfáticos do pescoço.

O linfoma de Hodgkin é o primeiro nome Câncer que afeta o tecido linfático dos gânglios linfáticos, fígado, baço e medula óssea. É muito curável se for diagnosticado precocemente. O primeiro indicador do linfoma de Hodgkin é a inflamação dos gânglios linfáticos do pescoço, virilha e axilas. Os outros principais indicadores da doença são febre, fadiga, coceira geral inexplicável e perda de peso e perda de apetite.

O linfoma não-Hodgkin é um câncer que afeta o tecido linfático. Estudos mostram que pessoas com um sistema imunológico fraco tendem a desenvolver a doença com mais frequência. Os principais sintomas da doença são inchaço do pescoço, nódulos linfáticos na virilha e nas axilas, dor abdominal e na cabeça, tosse e problemas respiratórios.

Tratamento: O tratamento consiste em quimioterapia, radioterapia ou uma combinação de ambos. Em alguns casos, um transplante de células-tronco também é realizado. Transfusões de sangue e plaquetas também são realizadas nos casos em que o hemograma cai a níveis perigosamente baixos. 6. leucemia

A leucemia é a primeiro nome no câncer, que afeta os glóbulos brancos (glóbulos brancos). Os primeiros sintomas da leucemia incluem axilas e inchaço dos gânglios linfáticos do pescoço e febre alta. As pessoas também experimentam sintomas como fadiga, dor abdominal, perda de peso e dor nas articulações e ossos.