Wendy mcelroy como o blockchain fornece justiça privada bchaindiary.com bitcoin etf sec

Locke acreditava que um processo judiciário privado tenderia fortemente à injustiça, no entanto, porque até mesmo um homem honesto enxerga as coisas a partir de sua própria perspectiva e interesse próprio. Mesmo um homem bem-intencionado pode estar enganado sobre os fatos, incluindo a identidade do agressor. Isso significa que um mundo ocupado por pessoas que julgaram seus próprios casos levaria à discórdia, especialmente se o agressor se sentisse prejudicado. Um agressor poderia pensar que a violência usada na recuperação da posse era excessiva, por exemplo, ou que a compensação acrescentada não era razoável. Nesse ponto, o agressor julgaria seu próprio caso e se consideraria a vítima; ele pode muito bem procurar reparação ou vingança. Ou um não-agressor falsamente acusado pode decidir corrigir o erro cometido contra ele.


O processo poderia facilmente tornar-se um ciclo infinito de violência, porque a justiça não era aceita como legítima por ambas as partes.

A necessidade de legitimidade na justiça era uma das principais razões – se não a principal razão – locke defendia um estado limitado. Durante séculos, este tem sido um argumento fundamental contra o anarquismo e a liberdade. E o argumento ou / ou está correto, neste caso. É a liberdade ou é o estado, com a justiça sendo um ponto de articulação entre os dois. (Uma forma desse argumento está ocorrendo dentro da comunidade de criptografia; é anarquismo ou o estado, com recurso contra roubo e fraude sendo o ponto central.) De outra forma: se indivíduos não podem fazer justiça, então o estado se torna necessário, mesmo para aqueles que vêem o estado como um mal necessário e tentam construí-lo através de freios e contrapesos.

A proteção da criptografia e do blockchain se divide drasticamente quando terceiros confiáveis ​​são novamente introduzidos na equação. Muitos dos problemas que o blockchain curou retornam com o envolvimento de terceiros confiáveis. O maior roubo ocorreu nas trocas, por exemplo. Com trocas antiéticas ou centralizadas que funcionam como bancos, a confiança do usuário foi perdida e as trocas se tornam ladrões. A melhor troca de bitcoins reddit, os éticos, mas os incompetentes, servem como um convite aos hackers, e a confiança do usuário voltou a ser equivocada. Aqueles que são éticos e competentes ainda são riscos porque são públicos; eles são como casas bem trancadas que são assaltadas, no entanto.

Até agora, apenas o impacto do blockchain sobre a justiça econômica tem sido discutido, mas as possibilidades para todas as formas de justiça são imensas. Os sistemas distribuídos podem transmitir contratos inteligentes peer-to-peer que são auto-obrigatórios. Um recente relatório do Senado dos EUA declarou contratos inteligentes, “o conceito está enraizado no direito contratual básico. Normalmente, o sistema judicial julga disputas contratuais e impõe termos, mas também é comum ter outro método de arbitragem, especialmente para transações internacionais. Com contratos inteligentes, um programa impõe o contrato embutido no código. ”(Quão inteligentes os contratos atuais realmente são é um ponto debatido, mas eles são uma prova de princípio.)

Locke acreditava que um processo judiciário privado tenderia fortemente à injustiça, no entanto, porque até mesmo um homem honesto enxerga as coisas a partir de sua própria perspectiva e interesse próprio. Mesmo um homem bem-intencionado pode estar enganado sobre os fatos, incluindo a identidade do agressor. Serviços de Bitcoin significa que um mundo ocupado por pessoas que julgaram seus próprios casos levaria a discórdia, especialmente se o próprio agressor se sentir lesado. Um agressor poderia pensar que a violência usada na recuperação da posse era excessiva, por exemplo, ou que a compensação acrescentada não era razoável. Nesse ponto, o agressor julgaria seu próprio caso e se consideraria a vítima; ele pode muito bem procurar reparação ou vingança. Ou um não-agressor falsamente acusado pode decidir corrigir o erro cometido contra ele. O processo poderia facilmente tornar-se um ciclo infinito de violência, porque a justiça não era aceita como legítima por ambas as partes.

A necessidade de legitimidade na justiça era uma das principais razões – se não a principal razão – locke defendia um estado limitado. Durante séculos, este tem sido um argumento fundamental contra o anarquismo e a liberdade. E o argumento ou / ou está correto, neste caso. É a liberdade ou é o estado, com a justiça sendo um ponto de articulação entre os dois. (Uma forma desse argumento está ocorrendo dentro da comunidade de criptografia; é anarquismo ou o estado, com recurso contra roubo e fraude sendo o ponto central.) De outra forma: se indivíduos não podem fazer justiça, então o estado se torna necessário, mesmo para aqueles que vêem o estado como um mal necessário e tentam construí-lo através de freios e contrapesos.

A proteção da criptografia e do blockchain se divide drasticamente quando terceiros confiáveis ​​são novamente introduzidos na equação. Muitos dos problemas que o blockchain curou retornam com o envolvimento de terceiros confiáveis. O maior roubo ocorreu nas trocas, por exemplo. Com trocas antiéticas ou centralizadas que funcionam como bancos, a confiança do usuário foi perdida e as trocas se tornam ladrões. Os éticos, mas incompetentes, servem como um convite aos hackers, e a confiança do usuário foi novamente colocada de lado. Aqueles que são éticos e competentes ainda são riscos porque são públicos; eles são como casas bem trancadas que são assaltadas, no entanto.

Até agora, apenas o impacto do blockchain sobre a justiça econômica tem sido discutido, mas as possibilidades para todas as formas de justiça são imensas. Os sistemas distribuídos podem transmitir contratos inteligentes peer-to-peer que são auto-obrigatórios. Um recente relatório do Senado dos EUA declarou contratos inteligentes, “o conceito está enraizado no direito contratual básico. Normalmente, o sistema judicial julga disputas contratuais e impõe termos, mas também é comum ter outro método de arbitragem, especialmente para transações internacionais. Com contratos inteligentes, um programa impõe o contrato embutido no código. ”(Quão inteligentes os contratos atuais realmente são é um ponto debatido, mas eles são uma prova de princípio.)

Locke acreditava que um processo judiciário privado tenderia fortemente à injustiça, no entanto, porque até mesmo um homem honesto enxerga as coisas a partir de sua própria perspectiva e interesse próprio. Mesmo um homem bem-intencionado pode estar enganado sobre os fatos, incluindo a identidade do agressor. Isso significa que um mundo ocupado por pessoas que julgaram seus próprios casos levaria à discórdia, especialmente se o agressor se sentisse prejudicado. Um agressor poderia pensar que a violência usada na recuperação da posse era excessiva, por exemplo, ou que a compensação acrescentada não era razoável. Nesse ponto, o agressor julgaria seu próprio caso e se consideraria a vítima; ele pode muito bem procurar reparação ou vingança. Ou um não-agressor falsamente acusado pode decidir corrigir o erro cometido contra ele. O processo poderia facilmente tornar-se um ciclo infinito de violência, porque a justiça não era aceita como legítima por ambas as partes.

A necessidade de legitimidade na justiça era uma das principais razões – se não a principal razão – locke defendia um estado limitado. Onde comprar com bitcoin por séculos, este tem sido um argumento fundamental contra o anarquismo e a liberdade. E o argumento ou / ou está correto, neste caso. Bitcoin taxa de câmbio uk é ou a liberdade ou é o estado, com a justiça sendo um ponto de articulação entre os dois. (Uma forma desse argumento está ocorrendo dentro da comunidade de criptografia; é anarquismo ou o estado, com recurso contra roubo e fraude sendo o ponto central.) De outra forma: se indivíduos não podem fazer justiça, então o estado se torna necessário, mesmo para aqueles que vêem o estado como um mal necessário e tentam construí-lo através de freios e contrapesos.

A proteção da criptografia e do blockchain se divide drasticamente quando terceiros confiáveis ​​são novamente introduzidos na equação. Muitos dos problemas que o blockchain curou retornam com o envolvimento de terceiros confiáveis. O maior roubo ocorreu nas trocas, por exemplo. Com trocas antiéticas ou centralizadas que funcionam como bancos, a confiança do usuário foi perdida e as trocas se tornam ladrões. Os éticos, mas incompetentes, servem como um convite aos hackers, e a confiança do usuário foi novamente colocada de lado. Aqueles que são éticos e competentes ainda são riscos porque são públicos; eles são como casas bem trancadas que são assaltadas, no entanto.

Até agora, apenas o impacto do blockchain sobre a justiça econômica tem sido discutido, mas as possibilidades para todas as formas de justiça são imensas. Os sistemas distribuídos podem transmitir contratos inteligentes peer-to-peer que são auto-obrigatórios. Um recente relatório do Senado dos EUA declarou contratos inteligentes, “o conceito está enraizado no direito contratual básico. Normalmente, o sistema judicial julga disputas contratuais e impõe termos, mas também é comum ter outro método de arbitragem, especialmente para transações internacionais. Com contratos inteligentes, um programa impõe o contrato embutido no código. ”(Quão inteligentes os contratos atuais realmente são é um ponto debatido, mas eles são uma prova de princípio.)

Locke acreditava que um processo judiciário privado tenderia fortemente à injustiça, no entanto, porque até mesmo um homem honesto enxerga as coisas a partir de sua própria perspectiva e interesse próprio. Mesmo um homem bem-intencionado pode estar enganado sobre os fatos, incluindo a identidade do agressor. Isso significa que um mundo ocupado por pessoas que julgaram seus próprios casos levaria à discórdia, especialmente se o agressor se sentisse prejudicado. Um agressor poderia pensar que a violência usada na recuperação da posse era excessiva, por exemplo, ou que a compensação acrescentada não era razoável. Nesse ponto, o agressor julgaria seu próprio caso e se consideraria a vítima; ele pode muito bem procurar reparação ou vingança. Ou um não-agressor falsamente acusado pode decidir corrigir o erro cometido contra ele. O processo poderia facilmente tornar-se um ciclo infinito de violência, porque a justiça não era aceita como legítima por ambas as partes.

A necessidade de legitimidade na justiça era uma das principais razões – se não a principal razão – locke defendia um estado limitado. Durante séculos, este tem sido um argumento fundamental contra o anarquismo e a liberdade. E o argumento ou / ou está correto, neste caso. É a liberdade ou é o estado, com a justiça sendo um ponto de articulação entre os dois. (Uma forma desse argumento está ocorrendo dentro da comunidade de criptografia; é anarquismo ou o estado, com recurso contra roubo e fraude sendo o ponto central.) De outra forma: se indivíduos não podem fazer justiça, então o estado se torna necessário, mesmo para aqueles que vêem o estado como um mal necessário e tentam construí-lo através de freios e contrapesos.

A proteção da criptografia e do blockchain se divide drasticamente quando terceiros confiáveis ​​são novamente introduzidos na equação. Muitos dos problemas que o blockchain curou retornam com o envolvimento de terceiros confiáveis. O maior roubo ocorreu nas trocas, por exemplo. Com trocas antiéticas ou centralizadas que funcionam como bancos, a confiança do usuário foi perdida e as trocas se tornam ladrões. Construa bitcoin miner framboesa pi os éticos, mas incompetentes servem como um convite para os hackers, e a confiança do usuário foi perdida novamente. Aqueles que são éticos e competentes ainda são riscos porque são públicos; eles são como casas bem trancadas que são assaltadas, no entanto.

Até agora, apenas o impacto do blockchain sobre a justiça econômica tem sido discutido, mas as possibilidades para todas as formas de justiça são imensas. Os sistemas distribuídos podem transmitir contratos inteligentes peer-to-peer que são auto-obrigatórios. Um recente relatório do Senado dos EUA declarou contratos inteligentes, “o conceito está enraizado no direito contratual básico. Normalmente, o sistema judicial julga disputas contratuais e impõe termos, mas também é comum ter outro método de arbitragem, especialmente para transações internacionais. Com contratos inteligentes, um programa impõe o contrato embutido no código. ”(Quão inteligentes os contratos atuais realmente são é um ponto debatido, mas eles são uma prova de princípio.)